segunda-feira, 23 de agosto de 2010

...

Preciso treinar minha redação. Hoje fiz um esforço e vim tentar escrever algo. Nada de muito diferente tem acontecido comigo. Nas minhas horas vagas tenho aproveitado pra estudar, fora outras coisas que não publicaria neste blog. Também não tenho anotado meus sonhos, mas lembro que hoje sonhei que a Uma Thurman me ajudou a fugir de um restaurante.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Curtas #1

Quase duas semanas sem nada postar. Não tenho tido sonhos que mereçam um post no blog, e nem tenho feito algo que vá significar algo escrito nas páginas desse blog. Porém (eu sempre escrevo isso nos meus textos), tenho me sentido bem comigo mesmo nas atividades que tenho desenvolvido (em todas elas buscando aprimoramento pessoal).
**********************
Li uma notícia (http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a3008503.xml) sobre lixo europeu no Brasil. Não é a primeira vez que isso acontece nos portos brasileiros:
O lixo é um problema mundial. Escrevi outro dia que poderíamos ser mortos soterrados pelo lixo que produzimos. Talvez o terceiro mundo morra antes, soterrado pelo lixo do primeiro mundo.
Vigiai, pois o fim está próximo.
***********************

Porém, todo fim é um recomeço.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Agora é oficial: Mais um chinelão com curso superior

A nova etapa começou. Finalmente, hoje concluí o nível superior, colando grau em gabinete. Estou oficialmente licenciado em História.
Foi difícil a jornada, como já escrevi em outra oportunidade. Cheguei inclusive a achar que jamais me formaria. Fui inúmeras vezes criticado pela escolha que fiz (como em várias outras escolhas que fiz na minha vida), além de ter sido um universitário incompetente, preguiçoso e irresponsável.
Dificilmente fazia as leituras que eram necessárias, preferindo ler o que me desse satisfação. Faltei inúmeras aulas para ficar no bar jogando truco. Ou para ficar na academia treinando, ou para ficar em casa dormindo, para ir jogar bola, para ver futebol na TV, para ficar lendo sobre assuntos não -acadêmicos ou simplesmente para estudar. Esse último confesso que era raríssimo, principalmente porque, tendo aulas todos os dias, se torna extremamente difícil e cansativo estudar.
Por isso sou um entusiasta do Ensino a Distância, tanto na graduação quanto na pós. Escreverei mais sobre isso em outra oportunidade.
Mas voltando ao tópico principal, o dia 05 de Agosto de 2010 marcou uma nova era na minha vida. Agora tenho curso superior, em uma área que sou apaixonado (apesar de muito desvalorizada, principalmente em questões de educação). Agora, penso eu, é que começa, na verdade. Nada foi terminado. Um pouco por isso sempre fui contra formatura durante o tempo que estive na faculdade. Tem gente que se forma e nunca mais pega um livro pra ler na vida, pois já "terminou a faculdade".
Agora, chegou a hora de alguns projetos meus.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Sonhos do Éd #9 - Shineray

Hoje sonhei que andava em uma moto Shineray 150 cc. Daquelas que parecem uma XL. Aparentemente era minha a moto. Eu subi em cima da moto e comecei a perguntar para um conhecido, como que ligava e andava. Não consigo recordar quem era o conhecido. Só lembro que ele me criticava porque não conseguia apertar um botão, girar o acelerador e apertar o freio e a embreagem, tudo ao mesmo tempo. Depois dele exemplificar mais uma vez, consegui reproduzir o exemplo do professor e começo a andar. Neste momento, se materializa uma jovem moça, morena "cor de cuia", como dizem aqui na região. Muito linda, por sinal. Desse momento em diante eu já sei que estou levando ela para um determinado local (creio eu que fosse a casa dela).
Começo então a engatar as marchas e acelerar, mais ou menos como se dirige carro, porque no sonho o meu instrutor não me ensinou a dirigir, apenas a ligar a moto. O estranho de tudo é que eu estava conseguindo dirigir a moto, embora na vida real não saiba. Em um determinado momento, fui entrar na rua Eustáquio Ormazabal (em Uruguaiana, antiga 24 de maio) no sentido bairro-centro e não conseguia olhar para a direita. Quando tentava olhar (não conseguia girar a cabeça completamente para esse lado) aparecia um bloqueio preto, como se fosse um véu negro lançando maldições ao novo motociclista. Meti uma segunda e fiz a conversão mesmo assim, torcendo para não ser abalroado. Escapei ileso da minha primeira curva. Subindo a 24, percebia uma coisa que sempre percebo quando estou andando de moto (só ando de carona, obviamente): É divertido andar, mas em qualquer acidente os danos físicos são numerosos.
Chegando ao destino da morena dos lindos cabelos negros e lisos, para minha supresa, já são duas mulheres que desceram da moto, a segunda tendo a pele um pouco mais clara e aparentando ter uns 15 anos (chutei essa idade no sonho). Outro detalhe interessante é q estacionei a moto direto na sala, sem precisar passar por portas ou janelas, pois me materializei lá dentro.
Depois de alguns sorrisos e amenidades das duas morenas, já não lembro de mais nada do sonho.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Sly

Deixei esfriar um pouco o assunto para poder analisar mais detidamente os fatos e poder emitir uma opinião mais embasada.
"Os policiais de lá usam camisetas com uma caveira, duas armas e uma adaga cravada no centro; já imaginou se os policiais de Los Angeles usassem isso? Já mostra o quão problemático é aquele lugar".
Esse foi um dos comentários que Sylvester Stallone fez recentemente, e indignou uma multidão de brasileiros. Outro que eu gostaria de comentar:
"Gravar no Brasil foi bom, pois pudemos matar pessoas, explodir tudo e eles (os brasileiros) dizem obrigado", diz Sylvester Stallone, no painel de divulgação de seu filme Os Mercenários, durante a Comic-Con 2010. E se complicou ainda mais: "Obrigado, Obrigado e leve um macaco!", disse, imitando a voz de uma pessoa simplória."
O brasileiro médio (típico cidadão brasileiro) é um ser acéfalo. Não tolera nenhum tipo de crítica ao seu amado país. A propósito, o brasileiro médio acha que ser patriota é torcer pela seleção brasileira. Ele não tá nem aí pra política, economia ou desigualdade social. A não ser quando surgem campanhas tipo "FORA FULANO", quando a Globo quer execrar algum político. O brasileiro médio joga lixo no chão, fala mal do vizinho e estaciona em local proibido. O brasileiro médio não tá nem aí para seus irmão de pátria. A não ser durante os 90 minutos das parttidas na Copa do Mundo.
É bastante comum ouvirmos piadas de portugueses no nosso cotidiano. Pior ainda, ver piadas contra argentinos em rede nacional, em comerciais ou mesmo na programação das emissoras (geralmente programas esportivos).
Sly realmente errou, na piada sobre os macacos. Porém, tentou apenas fazer uma piada preconceituosa. Se fosse um brasileiro falando mal de argentinos, ou até mesmo amercianos, o brasileiro médio iria vibrar. O Brasil está acima do bem e do mal ?
Quanto ao que foi dito sobre o BOPE: é apenas a realidade. O lugar onde o BOPE atua é problemático. Para isso o BOPE existe. Ou as favelas são um mar de rosas ?
Sirvo a0 meu país e sinto orgulho em ter nascido no Brasil. Mas não podemos ser limitados em nosso raciocínio. O nosso país tem problemas, e também é alvo de brincadeiras, assim como fazemos brincadeiras contra outras culturas. Sly foi apenas fanfarrão. Não quis desmerecer nossa pátria. Talvez tenha tido um pouco de preconceito quando trouxe "macacos" à tona, mas isso nada mais é que uma piada preconceituosa, tipicamente americana.
Fontes: