terça-feira, 30 de dezembro de 2014

sábado, 6 de dezembro de 2014

Sonhos do Éd #35 - Cilada

Eu estava indo trabalhar em uma Eco Sport cinza que havia comprado há uma semana. Manobrando em uma rua, quase caio na sarjeta, que era funda. Graças ao potente motor, saio sem maiores dificuldades. Logo atrás de mim, vejo uma mulher em apuros com o carro. Ofereço ajuda.

Não lembro qual o problema tinha o carro dela, mas ela revelou que estava indo fazer uma determinada tarefa e me perguntou onde deveria ir. E a tal tarefa, era exatamente a minha função profissional. Digo para ela algo como: "É ali que tu tem que ir [há uma quadra do local onde estávamos]. Sou eu mesmo que vou fazer isso pra ti".

No sonho, Uruguaiana era bastante pequena. Um lugar onde todos se conheciam. A tal mulher era uma forasteira e tinha se identificado como médica do Exército.

Corta. Chego na casa de minha mãe, em Porto Alegre. Mas eu não estava indo trabalhar?  E em Uruguaiana? Pois é, meus sonhos têm falhas terríveis no enredo.

Passo pelo corredor da entrada do apartamento e encontro aquela mulher na sala. Acho estranho. Volto até a entrada, procurando por algum morador da casa. Vejo minha mãe no tanque, lavando roupas. Volto para a sala, para saber como e por que a mulher tinha entrado na residência de minha mãe. Ela não está na sala. Sigo a procurando. Vou até o quarto e ela está pelada na cama, coberta por um lençol.

Atraente.Constrangedor. Embaraçoso. O que afinal está acontecendo?

Imediatamente algo é revelado no sonho. Minha namorada está a caminho, pois havíamos combinado de se encontrar na casa de minha mãe.

Em uma fração de segundo, entendo tudo. Era uma cilada. Armaram pra mim.

Eu digo:

-Então era isso que vocês queriam ?  Vocês vão ver só! (Em tempo: não sei quem são "vocês")

E pulo pela janela, em um mergulho quase artístico. Minha genitora mora no terceiro andar. Porém, antes de chegar ao chão, começo a flutuar e inicio uma subida, cantando a música tema do filme "Top Gun": Take My Breath Away  (na verdade, a música toca em seu áudio original, como trilha sonora do sonho).

Ao passar pela janela de onde pulei, a mulher está lá, me xingando, agora com sua forma real: uma espécie de Pomba Gira.

Sigo subindo, agora em forma de espírito. Ao me elevar acima do prédio, já estou entrando em um estádio (tipo esse), lotado de espíritos de pessoas vivas que estavam dormindo naquele momento e foram prestigiar minha performance musical.

A música ainda toca. De repente, estou em tamanho gigante (umas 10 vezes maior do que sou) e a trilha muda para Michael Jackson. Estou flutuando no meio do estádio e um pouco acima. Começo a cantar Billie Jean.

Então, o auge: começo a dançar Moonwalk, ainda flutuando. Estou arrasando.

Acordo, esboçando um leve sorriso. Minha noite foi demais.

Sonhado no mês de Novembro de 2014.